Os Lusíadas

a atração do mar

"Mar" de Miguel Torga

 

Mar!

Tinhas um nome que ninguém temia:
Eras um campo macio de lavrar
Ou qualquer sugestão que apetecia...
 
Mar!
Tinhas um choro de quem sofre tanto
Que não pode calar-se, nem gritar,
Nem aumentar nem sufocar o pranto...
 
Mar!
Fomos então a ti cheios de amor!
E o fingido lameiro, a soluçar,
Afogava o arado e o lavrador!
 
Mar!
Enganosa sereia rouca e triste!
Foste tu quem nos veio namorar,
E foste tu depois que nos traíste!
 
Mar!
E quando terá fim o sofrimento!
E quando deixará de nos tentar
O teu encantamento!
 
in Poemas Ibéricos
 
 
 
 

"Mar português" de Fernando Pessoa

Ó mar salgado, quanto do teu sal

São lágrimas de Portugal
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!

 

Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar alem da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele e que espelhou o céu.

 

In Mensagem

 

"Poema da malta das naus" de António Gedeão

Lancei ao mar um madeiro,
espetei-lhe um pau e um lençol.
Com palpite marinheiro
medi a altura do sol.

 

Deu-me o vento de feição,
levou-me ao cabo do mundo.
Pelote de vagabundo,
rebotalho de gibão.

 


Dormi no dorso das vagas,
pasmei na orla das praias,
arreneguei, roguei pragas,
mordi peloiros e zagaias.

 

Chamusquei o pêlo hirsuto,
tive o corpo em chagas vivas,

estalaram-me as gengivas,

apodreci de escorbuto.

 


Com a mão esquerda benzi-me,
com a direita esganei.
Mil vezes no chão, bati-me,
outras mil me levantei.

 

Meu riso de dentes podres
ecoou nas sete partidas.
Fundei cidades e vidas,
rompi as arcas e os odres.

 


Tremi no escuro da selva,
alambique de suores.
Estendi na areia e na relva
mulheres de todas as cores.

 

Moldei as chaves do mundo
a que outros chamaram seu,
mas quem mergulhou no fundo
Do sonho, esse, fui eu.

 

O meu sabor é diferente.
Provo-me e saibo-me a sal.
Não se nasce impunemente
nas praias de Portugal.

 

In Teatro do Mundo, 1958

 

 

 

"Praia das Lágrimas" de Rui Veloso

 

Ó mar salgado eu sou só mais uma
Das que aqui choram e te salgam a espuma

 

Ó mar das trevas que somes galés
Meu pranto intenso engrossa as marés

 

Ó mar da indía lá nos teus confins
De chorar tanto tenho dores nos rins

 

Choro nesta areia salina será
Choro toda a noite séco de manhã

 

Ai ó mar roxo ó mar abafadiço
Poupa o meu homem não lhe dês sumiço.

 

Que sol é o teu nesses céus vermelhos
Que eles partem novos e retornam velhos

 

Ó mar da calma ninho do tufão
Que é do meu amor seis anos já lá vão

 

Não sei o que os chama aos teus nevoeiros
Será fortuna ou bichos-carpinteiros

 

Ó mar da China Samatra e Ceilão
Não sei que faça sou viúva ou não

 

Não sei se case, notícias não há
Será que é morto ou se amigou por lá. 

 

 

 

 

 

João Braga " Mar", poema de Miguel Torga

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mar Português (Fernando Pessoa) - Música (Nau Martins)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Poema da malta das naus (António Gedeão) - Música Samuel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"Praia das Lágrimas" de Rui Veloso

 

 

 

 

A viagem de Vasco da Gama

Clica na imagem para veres o percurso de Vasco da Gama de Portugal até à Índia.

 

As nossas imagens

 

 

 

Tópico: Os Lusíadas - a atração do mar . Gostaste destes poemas? Faz um comentário ou comenta as ideias dos teus colegas

Data: 30-01-2012

De: Ruben Santos

Assunto: Poemas

É sempre bom conhecer-mos um pouco mais sobre o nosso povo , e penso que antes de darmos os Lusíadas é bom ouvirmos estes poemas , e sempre é uma boa e divertida forma de aprender ....

Data: 30-01-2012

De: João Henriques

Assunto: Poemas

Na minha opinião todos os poemas são interessantes. Pois mostram de modo geral a atracão pelo mar dos portugueses, como mostram factos verídicos do passado como dos dias de hoje.

Data: 24-01-2012

De: André Saraiva

Assunto: Poemas

Achei os poemas bonitos,e com uma mensagem muito importante e esclarecedora !!

Data: 24-01-2012

De: João Araújo

Assunto: Poemas

Eu achei que os poemas ensinaram algumas coisas, mas achei também que esta atividade devia ter sido feita numa disciplina como Formação Cívica, pois acho que aprendo mais numa aula de Português do que nesta atividade ...

Novo comentário